Tristeza parasitária bovina: Como prevenir?

Entenda o quadro clínico de animais que adquirem a doença.

1 min de leitura
Atualizado há 1 mês | Publicado em 26 . Apr, 2019

Tristeza parasitária bovina, também conhecida como Piroplasmose, Babesiose, Anaplasmose é uma enfermidade que ocasiona grandes perdas a pecuária nacional, segundo dados do MAPA(2002) os gastos ficam em torno de U$ 500 milhões anuais (tratamento e morte de animais).

A tristeza parasitária bovina (TPB), é uma doença que se manifesta de duas formas: Babesiose causado por protozoários (Babesia Bovis, Babesia Bigamina) e Anaplasmose causada por uma rikettsia (Anaplasma Marginale). Sendo a babesiose transmitidas exclusivamente por carrapatos e a anaplasmose também por dípteros hematófagos como, moscas do chifre e mosca do estábulo. A presença da doença está diretamente ligada com o seu vetor principal que é o carrapato, principalmente em regiões de clima subtropical e tropical, em regiões mais frias sua ocorrência é bem menor.

Os animais apresentam quadro clinico com febre (41 a 41,5° C), apatia, anorexia, emagrecimento, taquicardia, taquipnéia, rager de dentes, redução de movimentos ruminais e anemia, podendo apresentar palidez nas mucosas e estado de hemoglobinúria (urina escurecida), quando não tratados precocemente levam o animal a morte. O diagnóstico da doença é realizado por meio de sinais clínicos.

As perdas devido a TPB:

  • Redução de produção de leite e carne;
  • Diminui a fertilidade;
  • Abortos;
  • Gastos com medidas preventivas;
  • Gastos com tratamentos (R$ 220,00 por cabeça com o tratamento);
  • Morte;

A prevenção das doenças se dá por meio do controle de carrapatos no rebanho. Mantendo sempre baixa a incidência devendo ser controlados em épocas de maior incidência de carrapatos, que se dá quando as temperaturas e umidades são mais altas. Em regiões de climas mais quentes a ocorrências dos carrapatos é notada durante o ano todo, os cuidados devem ser maiores e sempre que apresentar incidências deve ser controlado.