Após produzir leite por volta de 305 dias, período que seria ideal para vacas leiteiras, idealizando um parto a cada ano, o período seco caracteriza-se como um período de descanso entre duas lactações e deve consistir entre 45 a 60 dias, tempo suficiente para o descanso e a renovação dos alvéolos, garantindo uma excelente produtividade para a nova lactação que se inicia. Dentro do período seco, os 21 a 30 dias antes do parto são chamados de pré-parto. Essa é a fase em que devemos dar maior atenção as nossas vacas de leite. Parece simples, mas é um período que requer muitos cuidados, pois é o que mantém a constante produção leiteira, onde os animais devem receber uma dieta diferenciada, rica em fibras e aniônica, para que suas atividades metabólicas sejam mantidas adequadas de acordo com a exigência neste período.

POR QUE É IMPORTANTE?

  • Período de involução da glândula mamária (20 a 30 primeiros dias, o restante do leite acumulado é absorvido e os alvéolos involuem e diminuem a sua quantidade);
  • Renovação das células produtoras de leite, também chamada de lactogênese, ocorre entre 15 a 20 dias antes do parto, com a renovação dos alvéolos e o acúmulo de imunoglobulinas para o colostro;
  • Grande exigência energética para o desenvolvimento final do bezerro;
  • É um período preparatório, onde o animal sai de uma fase de pouca exigência, para uma fase de muita exigência (nova lactação), chamado de período de transição;
  • Produção de colostro para o bezerro.

COMO FAZER?

  • O animal deve ter sua lactação encerrada (secagem) entre 45 a 60 dias antes do parto, não mais nem menos dias, sendo o ideal 60 dias;
  • O manejo pré-parto deve ser iniciado entre 21 a 30 dias antes (sugere-se iniciar com 30 dias pois o animal pode adiantar o parto em até 10 dias);
  • Elaborar uma dieta para o período pré-parto, com finalidade de adaptar o animal a nova dieta (de animais em lactação, após o parto);
  • Os alimentos devem ser semelhantes com o que ela vai receber depois do parto para uma melhor adaptação;
  • Deve-se utilizar um mineral próprio para este período, de boa qualidade e fornecido de acordo com a recomendação do fabricante. Geralmente estes suplementos não tem boa palatabilidade, portanto deve ser formulado um concentrado para fornecer junto, a fim de melhorar a palatabilidade e adaptar o animal a consumir concentrado;
  • O volumoso deve ser de boa qualidade, e fornecido de acordo com a capacidade de ingestão do animal neste período, pois nesta fase o animal diminui a ingestão por estar com o rúmen comprimido devido ao tamanho do bezerro;
  • Fornecer uma fonte de fibra longa podendo ser feno ou pré-secado, permitindo que o animal tenha estímulos para realizar os movimentos de ruminação;
  • Não se deve fornecer pastagens de boa qualidade, pois apresentam alta quantidade de potássio em sua composição afetando o objetivo da dieta pré-parto. As pastagens disponíveis devem ser de qualidade inferior ás de animais em produção.

COMO O PRÉ-PARTO AUXILIA?

  • Favorece uma produção maior na próxima lactação, segundo Rino & Junior (2003) vacas submetidas a manejo alimentar pré-parto tiveram um aumento de até 547 kg na lactação seguinte;
  • As bezerras nascem mais saudáveis;
  • Redução de doenças metabólicas, como: Cetose, hipocalcemia (febre do leite), deslocamento de abomaso e acidose;
  • Redução da ocorrência de retenção de placenta;
  • Adiantamento de concepção;

O manejo de pré-parto é fundamental para o sucesso na atividade leiteira, converse com o técnico que presta assistência em sua propriedade para que ele lhe auxilie de acordo com a sua realidade. Visto a importância do manejo pré-parto devemos tomar o cuidado para não perder a data de secagem e de início da dieta. O sistema Leigado é uma ótima opção para você não perca essas datas, ele fornece ao produtor relatórios, além de emitir notificações tanto no aplicativo, quanto na tela de tarefas da versão web, avisando quando cada um dos manejos devem ser realizados. Não perca dinheiro esquecendo as datas do manejo, pois a lactação dessa vaca fica comprometida, devido suas células de produção de leite não serem renovadas, além de ser um animal que irá apresentar alta contagem de células somáticas e produção de leite reduzida.

Por Jucemara Rosler, mestranda em zootecnia.

Cadastre-se gratuitamente www.leigado.com.br e confira seus benefícios.

WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Referências

RINO, M. C. P. B. e JÚNIOR, G. A. A. AUMENTO DO DESEMPENHO LACTACIONAL DE VACAS LEITEIRAS, MEDIANTE A SUPLEMENTAÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA DURANTE O PERÍODO SECO - REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VET ERINÁRIA - ISSN:1679-7353 - SEMESTRAL – EDIÇÃO NÚMERO 1 – JULHO DE 2003.