Campanha contra febre aftosa 2017 já começou em todo o País

Assessoria Leigado

A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda, causada por vírus e é considerada uma das mais contagiosas, que atinge bovinos, búfalos, ovinos, caprinos e suínos.A campanha contra doença esse ano já começou e teve início no último dia 1° de maio em mais de 22 estados, além do Distrito federal.

O Ministério da Agricultura (Mapa), pretende imunizar cerca de 198 milhões de animais durante todo o mês. Devem ser vacinados todos os animais, com exceção dos rebanhos do Acre, Espírito Santo, Paraná e São Paulo, que nessa primeira etapa vão imunizar apenas animais com até 24 meses.

De acordo com a Agência de Defesa do Agronegócio do Paraná (Adapar), o estado do Paraná é considerado a pela organização Mundial da Saúde Animal – OIE uma área livre da Febre Aftosa, assim como mais 23 estados brasileiros e o Distrito Federal.

Vale lembrar que tanto a aquisição quanto a aplicação da vacina contra a febre aftosa é de responsabilidade dos proprietários dos animais, sendo obrigatória a sua comprovação, como previsto na legislação estadual e seu descumprimento gera multa e ainda impossibilita o transporte dos animais.

Não deixe de vacinar seus animais. Fique atento ao calendário nacional.

Procedimentos na campanha de vacinação, segundo a ADAPAR:

1) A próxima Campanha de Vacinação Contra Febre Aftosa ocorre no mês de maio. A vacinação e sua comprovação são obrigatórias. A comprovação deve ser feita até o dia 31 de maio nas Unidades Locais de Sanidade Agropecuária da ADAPAR ou pela internet acessando a página da ADAPAR (www.adapar.pr.gov.br)

2) Na etapa de maio é obrigatório vacinar os bovinos e búfalos com até 24 meses de idade, incluindo os bezerros com poucos dias de vida.

3) O produtor deve comprar a vacina nas casas agropecuárias. Ao comprar a vacina deve obter a Nota Fiscal de compra da vacina e o Comprovante de Vacinação e Atualização Cadastral.

4) A dose da vacina é de 5 ml para todos os animais, independente do peso e tamanho. Só vacine bovinos e búfalos.

5) Preencher o Comprovante de Vacinação e Atualização Cadastral, relacionando corretamente a quantidade de animais existentes e de animais vacinados, por sexo e por idade. A quantidade de animais relacionada no Comprovante será cadastrada na ADAPAR e, portanto, deve ser exatamente igual ao existente na propriedade. Assim, o produtor deve aproveitar a vacinação para contagem dos animais e, somente depois, preencher o Comprovante.

6) Para fazer a comprovação da vacinação nas Unidades Locais de Sanidade Agropecuária: levar as duas vias do Comprovante de Vacinação e Atualização Cadastral e a Nota Fiscal da compra da vacina;

7) Se mais de um produtor fizer a vacinação em conjunto, deve ser preenchido um Comprovante para cada produtor;

8) Se o produtor tiver mais de uma propriedade, deve ser preenchido um Comprovante para cada uma delas.

9) Se numa mesma propriedade tiver a criação de bovinos e búfalos, preencher um Comprovante para cada espécie de animal.

10) Mesmo que o produtor não possua bovinos e búfalos na idade até 24 meses (com vacinação obrigatória), deverá entregar o Comprovante nas Unidades Locais para efeito de atualização cadastral na ADAPAR, relacionando os bovinos e búfalos acima de 24 meses de idade e as demais espécies animais.

Qualquer dúvida, procure esclarecimento nas Unidades Locais de sua região.

Recomendações:

a) Sempre conservar a vacina em local resfriado, na geladeira ou caixa isotérmica com gelo; nunca expor ao sol. Somente transportar a vacina da loja agropecuária até a propriedade em caixa isotérmica com gelo, mantendo-a refrigerada até o momento da aplicação.

b) Aplicar a vacina com agulhas e seringas bem limpas e desinfetadas para evitar contaminações (antes de usar, deixe a seringa e agulhas em água fervente por 10 minutos). Agite bem o frasco antes de usar. Aplique com calma a vacina nos animais.

c) A dose a ser aplicada é de 5 ml, para todas as idades, tamanho e peso do animal. Essa é a dose correta, nunca aplique menos do que essa dosagem.

d) Aplicar a vacina na tábua do pescoço, via subcutânea ou intramuscular. Evite aplicar no posterior (“traseiro”) do animal que é região de carne nobre.

e) Realizar a vacinação o quanto antes, não deixando para os últimos dias da campanha.

f) E também não deixar para comprovar nos últimos dias.

Para mais informações, acesse:

Brasil:

www.agricultura.gov.br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/programas-de-saude-animal/febre-aftosa/febre-aftosa-campanha

Paraná:

//www.adapar.pr.gov.br/

Fontes: ADAPAR, Mapa.

Cadastre-se gratuitamente www.leigado.com.br e confira seus benefícios.

WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv