Além da qualidade do leite, uma das características determinantes para o sucesso da cadeia leiteira é a percepção do mercado sobre o manejo em que os animais são pré-dispostos. Uma mudança cultural dos consumidores, relacionados principalmente a movimentos de proteção aos animais, visando melhores condições de vida, a eles que nos servem de alimento.

Grandes empresas utilizam essa pauta como Marketing garantindo produtos com selo de bem-estar animal, ou seja, os mesmos provem de fazendas com certificado de que seus animais são livres de sofrimento durante suas vidas. Este selo, agrega valor aos seus produtos, sendo está uma realidade bem próxima, onde todos os produtos deverão ter certificação de bem-estar animal.

Alguns fatores que contam como pontos-chave do bem-estar na produção animal foram definidos por Mellor e Stafford (2001) como os cinco domínios: que preveem uma produção sem privação de água e comida; inexistência de desafios ambientais; livres de doenças, injúrias ou comprometimento funcional; liberdade comportamental interativa; e livres de sofrimento mental. E são através desses fatores que se devem basear os manejos aplicados aos animais, de forma que não afete a produção, mas sim promova melhorias.

Para uma boa alimentação deve-se oferecer aos animais nutrientes necessários e que atendam as necessidades de mantença, produção e reprodução. Os cuidados maiores se devem durante o período transitório (três semanas de pré e pós-parto), marcado por diversas mudanças metabólicas e hormonais que podem levar a distúrbios metabólicos graves, caso não se realize uma dieta pré-parto eficiente. Problemas nutricionais, além de afetar o bem-estar dos animais causa prejuízos econômicos na produção, pois para atender a liberdade de doenças e injúrias se faz necessária a administração de medicamentos, em sua maioria com períodos de carência levando ao descarte do leite.

A privação de água jamais deve ocorrer em sistemas de produção. Muito utilizada anteriormente como forma de auxiliar no manejo de secagem dos animais, hoje não se utiliza, pois, a mesma pode trazer muitas consequências. Sabe-se que o maior desenvolvimento fetal ocorre durante os últimos dois meses de gestação e é um período em que há extrema necessidade de água para carrear nutrientes e manter o animal hidratado. Além disso, a água representa 87% da composição total do leite, portanto, para vacas em lactação também é necessário livre acesso ao bebedouro. O consumo diário vária entre 3 a 4 litros de água por litro de leite produzido, em média uma vaca que produz de 30 litros dia consome diariamente próximo de 120 litros. Por isso, certifique-se sempre de que os animais têm acesso a água de boa qualidade, limpa e fresca, durante todos os horários do dia, principalmente nos dias mais secos e quentes.

Os desafios ambientais devem ser uma preocupação frequente do produtor, pois são fatores determinantes para o aumento da produção. É cada vez mais comum investir em animais de boa genética e em nutrição avançada, mas para que demonstrem todo o seu potencial produtivo os animais necessitam de um ambiente confortável. Recomenda-se a utilização de instalações que tenham acesso a sombra, ventilação adequada, podendo ser aliada a aspersão para auxiliar na dissipação de calor, o relevo oferecido aos animais também é importante, estes devem ser livres de pedras e lamas.

Ao promover ambientes mais confortáveis aos animais é necessário pensar na liberdade comportamental dos mesmos. Uma alternativa que vem ganhando espaço são os confinamentos, porém essas instalações devem respeitar o espaço mínimo para cada animal e promover um ambiente em que os animais possam ter liberdade para expressar seu comportamento natural e interagir com outros animais, visto que são animais gregários e possuem uma hierarquia em sua sociedade. Além desses fatores, devemos sempre buscar mais informações de como podem ser oferecidas melhores condições de bem-estar aos animais durante a sua vida.

Uma alternativa muito interessante para se conquistar o consumidor, seja o produtor de leite que entrega diretamente para o laticínio ou o produtor que beneficie seu leite, é a utilização das mídias sociais como forma de mostrar ao público a rotina de manejos e a qualidade empregada na produção. Isso tem sido utilizado por grandes fazendas resultando positivamente com a interação do público, além de ser uma forma de marketing da sua produção.

É necessário estar sempre atento às novidades no mercado, as mudanças na legislação e no hábito do consumidor, buscando se adequar cada vez mais ao exigido, além de promover sempre o melhor bem-estar aos animais. Praticas que, além de aumentar a sua produção irão aumentar também a movimentação da cadeia do leite.

Por: Rafaela Walteman, graduanda de zootecnia UTFPR-DV

Cadastre-se gratuitamente www.leigado.com.br e confira seus benefícios.

WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook:
facebook.com/sistemaleigado

Instagram:
www.instagram.com/leigado

Referências

MELLOR, D. J.; STAFFORD, K. J. Integrating practical, regulatory and ethical strategies for enhancing farm animal welfare. Aust Vet J. Vol. 79, no. 11, 2001.