Prejuizos causados pela mastite

É muito importante estimar os prejuízos e impactos causados pelas doenças do rebanho, principalmente sobre a mastite que é uma enfermidade comum e com grande impacto em rebanhos leiteiros.

Os casos clínicos são percebidos com maior facilidade pelos produtores, pois os sinais são evidentes e o leite produzido é descartado, porém os casos subclínicos não são tão evidentes e estimar os prejuízos e impactos fica mais complicado pois essa doença não causa alterações visuais no leite ou úbere da vaca.

Por meio da contagem de células somáticas (CCS) é possível fazer a detecção da mastite subclínica, o aumento das células somáticas é feita pela própria defesa do animal em resposta a uma infecção intramamária, então é de suma importância realizar controle de CCS por animal individual para que possa identificar possíveis casos de mastite subclínica.

Os custos associados aos casos de mastite não incluem apenas o leite descartado mas também o quanto a vaca deixa de produzir além de outros custos como medicamentos, mão de obra extra, orientação técnica e em últimos casos até o descarte e reposição do animal.

Recentemente, um grupo de pesquisadores da Universidade Nacional de Río Cuarto, Argentina, realizou uma avaliação econômica dos custos diretos diários e as despesas de controle e prevenção associados a mastite. A pesquisa foi realizada em 48 rebanhos leiteiros (média de 128 vacas Holandesas em lactação e 17,5 Kg/vaca/dia) um total de 1.955 vacas da região de Córdoba, bacia leiteira que representa 65% dos produtores argentinos.

A perda média da produção de leite ocasionada pela mastite subclínica foi 2,8 litros/vaca/dia, o que representou um custo de US$ 0,99/vaca/dia. Por outro lado, a perda média de produção de leite devido a casos de mastite clínica foi menor do que a subclínica, 0,12 litros/vaca/dia, o que representou um custo de US$ 0,04/vaca/dia. A média de despesas oriundas do controle e prevenção da mastite foi US$ 0,059/vaca/dia. Dentre essas despesas, a terapia de secagem foi a que apresentou maior quantia (US$ 0,047/vaca/dia), seguido do tratamento para mastite clínica (US$ 0,006/vaca/dia). Em 50% dos rebanhos leiteiros do estudo, o custo total associado a casos de mastite foi de US$ 1,04 vaca/dia, podendo chegar a US$ 1,20 vaca/dia.

Podemos concluir que as perdas econômicas ocasionadas pela mastite variam com o tipo de mastite, frequência, gravidade, duração da doença e o nível de produção do rebanho leiteiro. Isso explica porque o custo variam muito entre os rebanhos e podemos constatar que a mastite subclínica é o tipo que ocasiona as maiores perdas na produção leiteira que pode representar 15 a 24% da renda bruta. Também constatamos a importância de um bom manejo sanitário a fim de prevenir as mastites e o controle da CCS por animal.

Fonte: VISSIO, C et al . Archivos de medicina veterinaria. v. 47, n. 1, p. 7-14, 2015 (artigo completo: //www.scielo.cl/pdf/amv/v47n1/art03.pdf)

Milkpoint: //www.milkpoint.com.br/colunas/marco-veiga-dos-santos/perdas-economicas-e-custos-do-controle-da-mastite-em-rebanhos-leiteiros-205877n.aspx

Cadastre-se gratuitamente em: www.leigado.com.br e confira todos os benefícios para uma boa gestão em sua propriedade de gado leiteiro.

WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook: facebook.com/sistemaleigado

Instagram: //www.instagram.com/leigado

Fazendas Leiteiras: como fazê-las ter um desenvolvimento mais sustentável?

* Esta matéria foi originalmente publicado pela www.mesintoseguro.com.br

Nos últimos anos o termo “sustentabilidade” é citado em uma infinidade de situações e contextos, sendo tema de palestras, simpósios e até reuniões entre governantes de todo o mundo. É o assunto do momento!

A pecuária leiteira, com a sua importância mundial, não fica de fora das ações de discussões sustentáveis, sendo motivo de muitos estudos e conversas. Porém, ainda é relativamente comum alguns “profissionais” terem visões um pouco distorcidas sobre a sustentabilidade na produção de leite, colocando a pecuária leiteira como uma das grandes vilãs da sustentabilidade.

Realmente a pecuária é vista com outros olhos quando o assunto sustentabilidade é colocado em pauta. Por estes motivos, devemos criar formas sustentáveis para melhorar a imagem das fazendas leiteiras perante a sociedade, mostrando quais são as realizações que vêm sendo tomadas para tornar a atividade mais sustentável como um todo.

Mas afinal, o que significa desenvolvimento sustentável?

O termo desenvolvimento sustentável é bastante amplo possuindo várias vertentes. A comissão mundial do ambiente e desenvolvimento da ONU conceitua o desenvolvimento sustentável como “o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações em atender às suas próprias necessidades”, ou seja, os recursos devem ser utilizados hoje, mas lembrando de que nossos filhos e netos vão precisar destes recursos amanhã.

Há alguns anos, o termo “desenvolvimento” era facilmente entendido somente como crescimento econômico. Tal crescimento dependia do consumo crescente de energia e recursos naturais finitos. Com o tempo, esse tipo de desenvolvimento vem se tornando insustentável, visto que acarreta no esgotamento dos recursos naturais imprescindíveis para a humanidade. Hoje, o desenvolvimento moderno é mais do que isso, devendo ser bem mais sustentável!

Como ter um desenvolvimento sustentável em fazendas leiteiras?

O desenvolvimento sustentável conhecido hoje, sugere qualidade em vez de quantidade, com a redução do uso de matérias-primas e produtos e o aumento da reutilização e da reciclagem. Mas como conseguir ser sustentável na pecuária de leite sendo que ela precisa aliar qualidade da atividade com quantidade (destinada à alimentar a população crescente) da produção e ao mesmo tempo seguir ações sustentáveis?

A resposta é bem ampla, mas a primeira atitude que todo fazendeiro leiteiro precisa ter é entender que a sustentabilidade na pecuária de leite não deve estar focada somente na sustentabilidade ambiental, mas também na sustentabilidade social e na sustentabilidade econômica.

Este é o famoso tripé da sustentabilidade, que deve estar presente em todas as atividades, inclusive a pecuária leiteira. Este tripé exige um crescimento que vise a preservação do meio ambiente, mas que seja socialmente inclusivo e, principalmente rentável.

Sustentabilidade para fazendas leiteiras: Equilíbrio social, ambiental e econômico

A pecuária leiteira é considerada uma atividade desafiadora, visto que exige dos produtores posturas mais sustentáveis. Qualquer empresa rural (ou fazenda) que vise ser sustentável precisa manter o equilíbrio entre cada um desses fatores, gerando progresso produtivo, cuidando do ambiente e gerando valor para a fazenda e seus colaboradores. As principais ações do tripé da sustentabilidade são:

1. Progresso social: Crescimento das pessoas em sociedade

Deve considerar as necessidades sociais de todas as pessoas que de alguma maneira estão envolvidas no negócio. Proprietário da fazenda, colaboradores e seus familiares, fornecedores e afins devem ter condições para crescerem como profissionais e como cidadãos (mantendo a qualidade de vida). Para isso, devem ser criadas ações sociais que deem condições para que haja um crescimento sustentável de todos os envolvidos (direta ou indiretamente) com a produção leiteira.

2. Progresso Ambiental: aliando produtividade com sustentabilidade

O progresso ambiental consiste basicamente em utilizar os recursos naturais oferecidos de maneira bastante criteriosa para produzir, tornando a atividade mais sustentável e melhorando a relação entre o desenvolvimento produtivo com o meio ambiente.

Muitos órgãos (nacionais e internacionais) consideram a pecuária brasileira como uma das vilãs do meio ambiente mundial, citando-a como uma das mais agressivas ao meio ambiente.

Dados de estudos recentes dizem que essa pressão internacional não é totalmente verdadeira, mas mesmo assim precisamos nos conscientizar e criar estratégias para minimizar o nível das emissões de gases ao ambiente. Para isso, devemos melhorar a qualidade das rações animais, além de investir em melhoramento genético, visando melhora na eficiência da conversão de kg de alimento para litro leite.

Para um desenvolvimento sustentável na produção de leite faz-se importante criar métodos para manejar os desejos, para que estes não venham a agredir o meio ambiente e até gerem mais renda, como é o caso da produção de biogás por meio de dejetos de vacas leiteiras.

3. Progresso econômico: O objetivo central da atividade também deve ser sustentável

A verdadeira sustentabilidade deve sim priorizar os cuidados com o ambiente, mas precisa ter seu alicerce no desenvolvimento econômico. É praticamente impossível uma fazenda se sustentar por muito tempo sem que haja lucro, mesmo que todas as ações que visem os cuidados com o ambiente sejam seguidas a risca.

Portanto, para que a fazenda leiteira seja realmente sustentável ela precisa também dar lucro. E essa lucratividade será conseguida através de processos eficientes.

O manejo alimentar, sanitário, reprodutivo e de dejetos, além da compra de insumos e a gestão de pessoas devem ponderar a eficiência econômica que o negócio pede. Nada adiantará investir muito dinheiro em ações sustentáveis se a atividade não conseguir ser financeiramente sustentável.

Vale a pena investir em fazendas leiteiras sustentáveis?

Você, como fazendeiro de leite, deve se perguntar: Meu lucro gira em torno dos centavos por livro, o investimento em ações sustentáveis poderá fazer com que eu perca esse pouco que ganho, será que vale a pena investir nisso?

Respondemos, vale sim!

Como visto até agora, o investimento em ações sustentáveis é ótimo para os 3 pilares (social, ambiental e econômico) e se bem conduzida, a sustentabilidade trará também o reconhecimento dos compradores do seu leite.

Dizemos isso, pois muitos laticínios já estão começando a considerar a compra de leite de fazendas leiteiras que estão se preocupando com meio ambiente e com a área social dos empreendimentos leiteiros. Aquela propriedade que oferecer produtos lácteos com esses cuidados, certamente terá o reconhecimento do mercado, que pagará mais e melhor.

Além disso, com vistas ao Seguro Rural, a sustentabilidade tenderá a ser um diferencial para àquelas propriedades que procurem contratar um seguro da propriedade ou das benfeitorias. Com a real tendência de redução dos riscos, os prêmios do seguro também tendem a cair, tornando-os mais vantajosos ao produtor rural.

 

Cadastre-se gratuitamente em nosso sistema para gestão de gado leiteiro: www.leigado.com.br e confira seus benefícios.

Telefone e WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook: facebook.com/sistemaleigado