Prejuizos causados pela mastite

É muito importante estimar os prejuízos e impactos causados pelas doenças do rebanho, principalmente sobre a mastite que é uma enfermidade comum e com grande impacto em rebanhos leiteiros.

Os casos clínicos são percebidos com maior facilidade pelos produtores, pois os sinais são evidentes e o leite produzido é descartado, porém os casos subclínicos não são tão evidentes e estimar os prejuízos e impactos fica mais complicado pois essa doença não causa alterações visuais no leite ou úbere da vaca.

Por meio da contagem de células somáticas (CCS) é possível fazer a detecção da mastite subclínica, o aumento das células somáticas é feita pela própria defesa do animal em resposta a uma infecção intramamária, então é de suma importância realizar controle de CCS por animal individual para que possa identificar possíveis casos de mastite subclínica.

Os custos associados aos casos de mastite não incluem apenas o leite descartado mas também o quanto a vaca deixa de produzir além de outros custos como medicamentos, mão de obra extra, orientação técnica e em últimos casos até o descarte e reposição do animal.

Recentemente, um grupo de pesquisadores da Universidade Nacional de Río Cuarto, Argentina, realizou uma avaliação econômica dos custos diretos diários e as despesas de controle e prevenção associados a mastite. A pesquisa foi realizada em 48 rebanhos leiteiros (média de 128 vacas Holandesas em lactação e 17,5 Kg/vaca/dia) um total de 1.955 vacas da região de Córdoba, bacia leiteira que representa 65% dos produtores argentinos.

A perda média da produção de leite ocasionada pela mastite subclínica foi 2,8 litros/vaca/dia, o que representou um custo de US$ 0,99/vaca/dia. Por outro lado, a perda média de produção de leite devido a casos de mastite clínica foi menor do que a subclínica, 0,12 litros/vaca/dia, o que representou um custo de US$ 0,04/vaca/dia. A média de despesas oriundas do controle e prevenção da mastite foi US$ 0,059/vaca/dia. Dentre essas despesas, a terapia de secagem foi a que apresentou maior quantia (US$ 0,047/vaca/dia), seguido do tratamento para mastite clínica (US$ 0,006/vaca/dia). Em 50% dos rebanhos leiteiros do estudo, o custo total associado a casos de mastite foi de US$ 1,04 vaca/dia, podendo chegar a US$ 1,20 vaca/dia.

Podemos concluir que as perdas econômicas ocasionadas pela mastite variam com o tipo de mastite, frequência, gravidade, duração da doença e o nível de produção do rebanho leiteiro. Isso explica porque o custo variam muito entre os rebanhos e podemos constatar que a mastite subclínica é o tipo que ocasiona as maiores perdas na produção leiteira que pode representar 15 a 24% da renda bruta. Também constatamos a importância de um bom manejo sanitário a fim de prevenir as mastites e o controle da CCS por animal.

Fonte: VISSIO, C et al . Archivos de medicina veterinaria. v. 47, n. 1, p. 7-14, 2015 (artigo completo: //www.scielo.cl/pdf/amv/v47n1/art03.pdf)

Milkpoint: //www.milkpoint.com.br/colunas/marco-veiga-dos-santos/perdas-economicas-e-custos-do-controle-da-mastite-em-rebanhos-leiteiros-205877n.aspx

Cadastre-se gratuitamente em: www.leigado.com.br e confira todos os benefícios para uma boa gestão em sua propriedade de gado leiteiro.

WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook: facebook.com/sistemaleigado

Instagram: //www.instagram.com/leigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *