Cresce a presença feminina no agronegócio

* Esta matéria foi originalmente publicado pela Uagro

A participação das mulheres no agronegócio está mais evidente. De 2013 a 2017, a presença feminina em cargos de decisão nas empresas do agro saltou de 10 para 31%. Os dados são da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) e fazem parte da “Pesquisa Hábitos do Produtor Rural”, divulgada hoje (31).

Participação das mulheres em cargos de liderança no agro cresceu nos últimos quatro anos

“As novas gerações de produtores rurais e as mulheres têm tido papel cada vez mais importante no crescimento do agronegócio brasileiro, segmento que representa 23% do Produto Interno Bruto nacional”, destaca o comunicado divulgado pela entidade.

A pesquisa que ouviu quase 3 mil pessoas em 15 estados traça um perfil do produtor rural no País com dados interessantes: a média de idade dos agricultores brasileiros recuou em relação a 2013 e hoje é de 46,5 anos. Em relação à escolaridade, um pequeno percentual dos entrevistados possui ensino superior (21%). Desse total, 42% estão voltados para a área de agronomia.

Produção tecnológica

O levantamento da ABMRA mostrou que os produtores rurais estão cada vez mais preocupados em adotar ações tecnológicas no seu dia a dia. Por isso, eles buscam cada vez mais conhecimento para levar ao campo. E para eles se atualizaram, o evento de maior interesse para 54% dos entrevistados é o dia de campo, seguido pelas feiras agropecuárias (22%) e as palestras técnicas (16%).

Orgulho

E nós da Leigado – Inteligência para pecuária temos o maior orgulho de contar em nossa carteira de clientes diversas mulheres preocupadas em utilizar a tecnologia ao seu favor e fazer uma gestão mais facilitada em suas propriedades e propriedades que prestam assistência técnica.

Parabéns as mulheres do Agronegócio.

Cadastre-se gratuitamente em nosso sistema para gestão de gado leiteiro: www.leigado.com.br e confira seus benefícios.

Telefone e WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook: facebook.com/sistemaleigado

Cuidados no gerenciamento do descarte de vacas leiteiras

* Este artigo foi originalmente publicado pela  Fundação Roge.

A decisão do descarte influencia diretamente na lucratividade da fazenda de leite. Por isso, é importante que o produtor conheça os tipos de descartes, esteja ciente dos seus índices de desempenho, saiba formas de reduzir o descarte involuntário, entre outras ações que ajudem na decisão da melhor forma de descartar os animais.

Com o descarte, a propriedade pode gerar recursos financeiros para utilizar na renovação do rebanho e em outras atividades necessárias, como reformas de pastagens, equipamentos, etc.

Tipos de descarte:

Descarte Involuntário

É aquele que ocorre por problemas como morte acidental (queda, picada de cobra, problemas no pós parto, entre outros). Este tipo de descarte gera prejuízo direto para o produtor.

Descarte Voluntário

É realizado quando a decisão é feita pelo produtor. A seleção é feita analisando fatores produtivos, reprodutivos, idade, problemas de casco e outros. Neste tipo, muitas vezes são descartados animais sadios, produtivos e geralmente isso ocorre para conter o aumento de animais no plantel ou para gerar receita para outros investimentos.

Na pecuária de leite, em geral, os principais motivos de descarte avaliados pelos produtores são:

  • baixa produção dentro do plantel
  • idade
  • problemas reprodutivos
  • persistência de mastite

Devido aos prejuízos gerados pelo descarte involuntário, o pecuarista leiteiro deve diminuir ao máximo possível a taxa de descarte involuntário e manter no rebanho vacas saudáveis e longevas.

Cuidados no gerenciamento do descarte

Não passe adiante seus problemas!

No momento do descarte, o produtor deve estar atento para que os problemas no seu rebanho não sejam repassados a outros produtores. Para aqueles problemas persistentes o melhor a fazer é encaminhar os animais para abate para manter sua integridade no mercado.

Avalie cuidadosamente seu rebanho

Outro fator importante na hora do descarte é analisar aqueles animais que estão produzindo e gerando receitas enquanto outros no mesmo momento estão gerando custos como na cria e recria ou aqueles animais que tem um período seco maior do que a média do rebanho.

Avalie constantemente seus resultados

O produtor que possui uma visão gerencial faz seu planejamento de descarte com base na análise dos fatores que o levaram até essa decisão, e faz dessas informações um guia útil para identificar corretamente áreas potenciais de problemas na administração do rebanho e até mesmo avaliar a necessidade de implantar programas de prevenção de doenças e treinamentos de colaboradores.

** Colaboração: Prof. Sebastião Ferreira e Silva

 

Cadastre-se gratuitamente em nosso sistema para gestão de gado leiteiro: www.leigado.com.bre confira seus benefícios.

Telefone e WhatsApp (46) 99901 0238

Skype: leigado.dv

Facebook: facebook.com/sistemaleigado